Foto: André Rocha

Música instrumental é pura música. É livre da letra, mas não da voz. Fala de tudo, colore, abraça e deixa gosto na boca. Música instrumental é de quem ouve, de quem olha ou experimenta. Quer um pedaço? Chegue mais perto. Levante-se ou sente-se. Sinta-se, ambiente-se. O show já vai começar.

O desejo de integrar um conjunto de músicos da nova cena instrumental em Minas Gerais, criar interlocução nacional com grandes artistas e estimular a abertura de espaços para esse gênero levou a agência cultural Ultrapássaro a criar, em 2010, a Mostra da Nova Música Instrumental Mineira. Com idealização e direção artística de Dudu Nicácio e direção musical de André Rocha, o festival ocupa os parques de Belo Horizonte, desde sua primeira edição, valorizando o contato com o espaço público.

A filosofia da Mostra é se inserir na vida da cidade, criar contato da população com essa geração de instrumentistas, além de promover práticas saudáveis e positivas no meio urbano, piqueniques e ações do movimento Slow Food no Brasil. Uma das características da Mostra é privilegiar sempre o trabalho autoral, trazendo ao palco artistas que também são compositores do que apresentam.

2010

Em 2010 a Mostra começou em quatro parques de Belo Horizonte, Parque Municipal, Lagoa do Nado, Parque Ecológico da Pampulha e Parque das Mangabeiras. Na sua primeira edição, o festival já iniciou o processo de integração da nova geração do estilo instrumental com figuras conhecidas do estado e de fora. Entre as atrações estiveram Benjamim Taubkin, Juarez Moreira, Madeirame, João Antunes e Caíto Marcondes, Rogrigo Torino, Diapasão, Rafael Macedo e Mauro Rodrigues. O piquenique coletivo durante durante os shows já foi um dos destaques.

Mostra da Nova Música Instrumental Mineira from Luísa Rabello on Vimeo.

2011

Em 2011, a Mostra aconteceu em parceria com o festival Conexão Vivo, ampliando a interlocução da música instrumental mineira com outros gêneros e públicos. Além disso, o evento foi a outras cidades do estado, com edições em Montes Claros e Uberlândia. Entre os destaques estiveram Rafael Martini, Décio Ramos e Arthur Andrés do Uakiti, Elias Pascoal, André Rocha e Maurício Ribeiro. Outra atração especial foi a inclusão do canto na música instrumental, que foi muito bem representado pela experiência da cantora Titane.

 


MOSTRA INSTRUMENTAL

Música, convivência, piquenique, improviso e espontaneidade nos parques de Belo Horizonte

Piqueniques

Aproveite os piqueniques que vão acontecer durante os shows da Mostra: convide seus amigos, traga uma toalha e alguns comes & bebes para compartilhar.

%d blogueiros gostam disto: